22 de mar de 2011

A busca pelo ouro azul










Reportagem
  
edição 90 - Abril 2011( Site historia Viva)
A busca pelo ouro azul
A domesticação da água foi decisiva para o surgimento das primeiras civilizações. Por séculos, os homens desenvolveram técnicas para controlar o recurso que pode detonar as grandes guerras do século XXI
por Christophe Courau
(C) Astromujoff / Getty Images
O delta do Nilo: o maior rio africano foi a chave para o desenvolvimento pioneiro do Egito
A busca pela água é uma das mais antigas atividades humanas. Ao longo dos séculos, os homens desenvolveram técnicas cada vez mais sofisticadas para controlar cursos fluviais e armazenar seu conteúdo, chegando a guerrear por eles. A abundância do líquido é também um dos fatores responsáveis pelo nascimento das grandes civilizações antigas.

Uma das primeiras etapas na história da domesticação da água foi o surgimento da agricultura, o que levou ao desenvolvimento das técnicas de irrigação. De acordo com os indícios arqueológicos, as primeiras sociedades que transferiram a água dos rios para suas lavouras foram a babilônica, no atual Iraque, e a egípcia. Esta última foi responsável também por construir, no Nilo, as primeiras barragens conhecidas, inventando o que hoje chamamos de hidrologia.

Os antigos tiveram de criar também uma maneira de levar água às plantações que estavam acima do nível dos rios e canais. Os mesopotâmicos foram os pioneiros, criando o chadouf, sistema de alavanca e contrapeso que elevava alguns metros cúbicos de água por hora. O invento foi sucedido pela nória, uma roda vertical com copos que alimentavam uma canaleta, responsável por transportar o líquido até as lavouras.

Outra preocupação do período foi o excesso de água. Os mesopotâmicos novamente saíram na frente e inventaram o primeiro sistema de drenagem da história: um pequeno declive que levava o excedente do líquido para um fosso de coleta na parte mais baixa do terreno. Graças a essas técnicas criadas na Idade do Bronze, as superfícies cultiváveis se multiplicaram.
1 2 3 4 »
Christophe Courau é historiador e jornalista.





SÍNTESE SOBRE FEUDALISMO (AOS ALUNOS DO 7º ANO)

ATENÇÃO!
NÃO ESQUEÇAM SOBRE O FEUDALISMO

Durante grande parte da Idade Média, a Europa Ocidental viu definhar lentamente as   atividades comerciais, a ponto de quase desaparecerem.  Dois fatores que causaram o atrofiamento do comércio nesse período foram a:
Ruralização da economia, em decorrência da crise do escravismo romano e da estruturação do sistema feudal;  
Isolamento econômico e insegurança provocada pelas invasões sarracenas (árabes),  normandas (vikings)  magiares (húngaras) e eslavas.

Politicamente, o feudalismo se caracterizava pela:
Relação direta entre posse dos feudos e soberania, fragmentando-se  o poder central;
Não podemos esquecer que o feudalismo foi um sistema caracterizado pelo trabalho servil.
A característica marcante do feudalismo, sob o ponto de vista político, foi o enfraquecimento do Estado enquanto instituição, porque a soberania estava vinculada a laços de ordem pessoal, tais como a fidelidade e a lealdade ao suserano;  

LEMBREM: A forma de trabalhar mais comum no feudalismo foi a servidão
  Corvéia - imposto em trabalho.=, isto é obrigação de trabalhar de graça para o senhor de 3 a 5 dias por semana
  Talha -  obrigação de entregar ao senhor parte do que produzia no lote reservado ao seu  próprio uso.
  Banalidades -  pagamento em produtos que o servo deviam ao senhor pelo uso do forno, do moinho, das prensas e outros equipamentos do feudo.
Dízimo (10%) deveria pagar a Igreja.
Capitação: taxa que o servo pagava ao senhor feudal por cada membro de sua família dentro do feudo;
Taxa de casamento: era paga pelo servo ao senhor feudal, quando aquele fosse se casar com uma mulher pertencente a outro feudo; 
Taxa de nascimento: taxa paga pelo servo, quando o seu filho nasce;
Taxa de justiça: é a taxa que o servo pagava ao senhor feudal para que se fizesse justiça dentro do feudo;
Taxa da mão-morta: taxa que o servo pagava ao senhor feudal para ocupar heranças.

Sobre o feudalismo,  as principais obrigações devidas pelos trabalhadores eram a corvéia e a talha.
A Alta Idade Média (séculos V - XI) tem como uma de suas características singulares, que   a define historicamente: a consolidação e generalização do trabalho servil;
 Quanto às relações entre suseranos e vassalos:
     As obrigações entre vassalos e suseranos eram recíprocas.
Suserano: Era quem doava um feudo e o que recebia era o vassalo.
Investidura: é um ato solene que através do qual o nobre feudal torna-se suserano ou vassalo.
 Relembrando!!!!!!!!!!!
Os acontecimentos abaixo constituem as características principais do feudalismo
Ø     Ausência de poder centralizado.
Ø     As cidades perdem sua função econômica.
Ø     Instauração da relação vassalagem / suserania.
Ø     Organização do trabalho com base na servidão.

Sociedade feudal – Era estamental, ou seja, a posição social de um individua dependia do seu nascimento. Assim o filho de uma família nobre era nobre por toda ávida. O filho de uma família de trabalhadores rurais, mesmo trabalhando dura a vida inteira, nunca conseguiria ascender socialmente.
De modo simplificado pode-se dizer que a sociedade feudal estava dividida em três estamentos; o primeiro era formado por aqueles que oravam ( o clero); o segundo, por aqueles que guerreavam (a nobreza; e o terceiro, por aqueles que trabalhavam(servo e vilões).
Poder Ideológico da Igreja
-  A Igreja tinha grande poder ideológico e coercitivo sobre as pessoas da época. Até hoje a Igreja possui grande influência cultural.
 A decadência do feudalismo
Ø     Houve uma superpopulação nos feudos e os alimentos não eram suficientes;
Ø     Cruzadas: guerras religiosas, também conhecidas como Guerras Santas, criadas pelo papa Urbano II e incentivadas por Pedro, o Eremita.


3 de mar de 2011

Alguém se Candidata a ser Parlamentar na Suécia???

PARLAMENTARES NA SUÉCIA ( Aos alunos do 9º ano)

Será que algum parlamentar brasileiro se candidataria a ser parlamentar na Suécia? A Suécia é o país dos políticos sem mordomia. Observem o vídeo e verão como vivem os parlamentares na Suécia.
Postem um comentário dando sua opinião sobre o vídeo e o que vocês acham.




O Relógio da História: "O Calendário"




      O que é um calendário? É o conjunto de regras usadas por um povo para dividir o tempo em períodos mais ou menos longos. E se chama assim porque as colendas eram, para os romanos, o primeiro dias do mês.
      Todos os povos da Terra, antigos e modernos, perceberam que a medida mais simples do tempo era o dia.
      Os povos pastores, observando a Lua durante as longas noites passadas a céu aberto, perceberam que esta mudava continuamente, ora minguando, ora crescendo, de tal forma que só após 28n dias retornava à forma primitiva e chamaram de mês à duração desse fenômeno. Este período podia ser dividido em quatro fases (lua cheia, lua minguante, lua nova, lua crescente): cada fase durava cerca de sete dias. E eis a semana.
      Os povos agricultores passaram a observar, em vez da lua, o sol, que iluminava e aquecia os seus campos. E viram que o sol tornava a surgir e a se esconder em dado ponto do horizonte depois de 365 dias. Chamaram a esse período de ano, dividiram – no em quatro estações de igual duração, relacionando cada estação com determinados trabalhos no campo.
      Não foi fácil para os povos da Antigüidade fazer concordar o calendário solar com o lunar; os doze meses lunares, juntos, não davam mais que 336 dias. Alongaram os meses de dois ou três dias cada um para chegar aos 365 dias; foi assim que esses passaram a não corresponder mais ao ciclo lunar.
         O calendário que hoje utilizamos surgiu no tempo de Julio César (101-44 a C.) e teve uma pequena correção no tempo do papa Gregório XIII, no ano de 1582. Por esse motivo, o nosso calendário denominou-se gregoriano.
                                            (História e Vida – Nelson Piletti e Claudino Piletti)





A Importância da Historia

Achei um vídeo muito interessante criados por alunos do 3º ano do Ensino Médio no blog do professor Eduardo Feriani. Gostaria que voces prestassem bastante atenção e depois respondessem porque é importante estudar história?

A Importância da História

PROF. EDUARDO FERIANI