1 de nov de 2010

A IMAGEM COMO FONTE(REVOLUÇÃO INDUSTRIAL)

Vocês, queridos alunos estão estudando a Revolução industrial. Já sabem que a Revolução Industrial contribuiu para a consolidação do capitalismo - modo de produzir mercadorias que se baseia no trabalho assalariado e na busca do lucro. O processo de industrialização afetou fortemente o modo de produzir, e de viver e de se relacionar dos seres humanos. Ela trouxe vantagens, mas também desvantagens. Aumentou a distância entre pobres e ricos. As máquinas e as inovações tecnológicas trouxeram um aumento considerável de conforto para um número grande de pessoas em todo o mundo. Mas, por outro lado, com a recente automação dos processos produtivos veio também o "desemprego estrutural”(motivado por inovações tecnológicas), que atinge em cheio os pobres, E, em decorrência dele, aumenta o subemprego.

Vamos fazer uma análise da imagem abaixo.

A IMAGEM COMO FONTE

Observe atentamente a imagem. O que ela mostra? Quem será o homem de cartola? Quem serão as crianças? O que estão fazendo? Quem será a mulher adulta, à direita? O que o autor pretende com essa imagem?


Trabalho infantil na Inglaterra durante a Revolução Industrial

Essa gravura representa uma cena que se passa no interior de uma fábrica de tecidos, na Inglaterra do início da Revolução Industrial. Nela, vemos um homem bem vestido, uma mulher adulta – certamente uma trabalhadora da fábrica – carregando um pano enrolado e várias crianças trabalhando como operárias.
O autor desse registro de época obteve êxito em transmitir o clima sóbrio e angustiante que envolve a cena. Repare que o ambiente é escuro. O elemento metálico sobrepõe-se ao humano, e as crianças trabalham de pé (perceba que o mecanismo/máquina é bem maior do que as pessoas).
A única pessoa que aparenta maior descontração é o homem, que aparece com uma mão no bolso e com s outra apontando para os presentes, como se estivesse chamando a atenção deles para algo ou alguma tarefa. O mais provável é que ele seja o patrão, como sugere a cartola e a casaca que está usando. A única figura que aparenta ocupar uma posição de poder e prestigio é do sexo masculino, o que sugere também a presença do machismo.
O que mais chama a atenção na gravura são as crianças operárias (três que estão à frente são meninas e trabalham enrolando fios). Se hoje a exploração do trabalho infantil nos causa indignação, para a grande maioria dos patrões do século XIX esse era um fato corriqueiro e aceito sem restrições. Empregar crianças e mulheres era uma forma de pagar baixos salários otimizando os lucros.
Chama a atenção o fato que as crianças operárias usam as mesmas roupas, o mesmo penteado e o mesmo tipo de calçado. Parecem ter sido fabricadas em série. Assemelham-se mais a bonecas do que seres humanos.
O que acharam da análise da imagem? 
Podemos, observando imagens, fazer uma leitura do passado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário